sábado, 15 de agosto de 2015

GT1 e GT2 - MUTICOM

GT1 - Rodrigo Mayer Colaço, coordenador do grupo de jovens "Amigos pela fé" da Paróquia Nossa Senhora Aparecida - Campina do Simão:
"Foi bem interessante, onde foram dadas dicas de como pode ser feito para impulsionar essas redes, onde são um importante instrumento de divulgação de mídia, até mesmo, então, formas de saber utilizar esses instrumentos para valorizar e divulgar as ações dos movimentos paroquiais e diocesanos".


GT1 - Júnior, Paróquia Dom Bosco - Diocese de Guarapuava
"Vimos que não devemos ficar no excesso, pois para melhor visualização das pessoas, deve ser curta e objetiva, um exemplo são os outdoors, porque são frases curtas que dizem muitas coisas em pouco espaço, que a imagem fala por si, muitas vezes. Não devemos usar também imagens pequenas, que não mostrem rostos, ou que tenham muitas pessoas, pois muitas vezes fica desproporcional. 
Particularmente, acho que não fica bom, em um meio impresso, estar escrito em 1º pessoa, tanto jornal quanto revista, acho sempre melhor escrever em 3º pessoa, porque deixa mais formal. A palestrante disse, que em 1º pessoa fica mais próximo, eu acho que não, eu acho que em 1º pessoa, a pessoa não tem como experiência, e onde em 3º pessoa, ela pode se imaginar. E os jornais não importa o tamanho, você pode adequar pelo projeto, ou pelo momento que se passa, mas independentemente se você faz 1 folha ou faz 100 folhas, todas devem ser bem feitas, foi isso que a palestrante deixou bem claro, pois não adianta você fazer um jornal gigante, com textos gigantes e coisas passadas, pois hoje com as redes sociais, a pessoa tira uma foto, já posta no momento e quando sair no jornal, já é notícia velha, perdendo assim o interesse, e sempre envolver a meio social junto com a notícia, tipo falar do dízimo, mas falar também no que o dízimo está sendo usado na comunidade, ou na paróquia para ajudar.
Podendo na minha paróquia aplicar boa parte, mas claro temos que ver o possível, tanto é que agora estamos sem jornal paroquial, mas estamos tentando retomar, onde se conseguimos retomar, tentar aplicar o máximo do que ela disse, e tentar que dê certo".


GT1 e GT2 - Matheus Felipe Viante, coordenador da Pascom na Paróquia Nossa Senhora de Fátima - Diocese de Guarapuava

"No grupo de trabalho 1, a assessora apresentou o atual panorama dos jornais/informativos impressos no Brasil, e nos mostrou que é o meio mais confiável e que, apesar dos grandes avanços da tecnologia e redes sociais, os meios impressos ainda permanecem entre os meios de comunicação mais utilizados. No grupo ouvimos experiências de várias regiões do Brasil, em que podemos observar que nós, como Igreja, devemos e podemos melhorar muito a qualidade de nosso impressos, tanto na escrita sucinta, nas reportagens bem elaboradas, no bom senso de uso das imagens, qualidade de diagramação etc, para que possamos ser mais claros na transmissão das informações, e que a nossa mensagem como evangelizador chegue a todos".
"No grupo de trabalho 2, os assessores nos apresentaram uma visão geral sobre o avanço da internet e das redes sociais digitais, mostrando os elementos necessários para uma utilização efetiva das ferramentas digitais. O GT nos mostrou exemplos de padres católicos que utilizam sites, blogs, redes sociais, etc, e de como eles se aproximam das pessoas através desses meios. Algumas redes sociais e aplicativos também foram apresentados aos participantes, como sugestão de aplicação".

GT2 - Mauricio Grando Pilati, do grupo JuCaJu da Paróquia Nossa Senhora Aparecida - Turvo
"Foi passado, as várias opções de redes sociais que temos hoje em dia, na internet fazendo uma breve análise de cada uma, focando mais no Facebook, que é a rede social com mais adeptos no Brasil, atualmente. Onde foi mostrado várias funções técnicas do Facebook e de alguns outros meios de comunicação, e falando como isso pode ser usado e aplicado dentro das nossas pastorais na igreja. Além desta parte técnica, tivemos também, a parte que os participantes puderam expor as suas dúvidas e também suas experiências dentro da comunidade e alguns falando da criação de alguns meios e como agem. Por exemplo: um dos membros falou que a fan page da paróquia deles, tem duas formas de se trabalhar que é as imagens ao vivo, que eles postam sempre de todos os eventos, que é mais simples, mais instantânea, que tem mais repercussão por causa disso, e depois eles fazem uma postagem mais elaborada, com fotos em alta resolução, mais trabalhadas, que é a parte da cobertura que eles fazem mais aprofundada, e postam também. Foram experiências como essa que cada um partilhou e também que a gente possa usar na nossa paróquia, posteriormente e saber quais são os principais problemas que cada pastoral está tendo e também como resolver isso. 
A nossa paróquia não tem PASCOM e também não tem nenhuma mídia que está sendo usada para comunicação ainda, nem impressa e nem na internet, temos apenas um programa de rádio que é "A hora da Ave Maria" que é uma reflexão, oração e avisos. Então, não entra muito na questão da comunicação do que está havendo na paróquia, que nem uma pastoral da comunicação. 
Primeiramente creio que poderíamos começar pela parte mais fácil e prática que é a interação com as redes sociais, pelo menos uma página para que seja postada as fotos dos eventos, porque sempre é fotografado; a paróquia registra tudo, mas nunca divulga; também, os avisos paroquiais, os acontecimentos, para começar a divulgar e depois promover a interação entre todas as pastorais, para que cada uma divulgue o seu trabalho, os seus conceitos, os dias de encontros, as atividades que estão realizando, isso também é muito importante, porque muitas vezes os próprios grupos dentro da paróquia não tem conhecimento do que o outro está fazendo, e muito menos a comunidade. Então, depois de começar com esse trabalho simples, de divulgar o que está acontecendo, também partir para essa integração das outras pastorais prepararem materiais que possa ser "passado para frente", formas de se trabalhar para que todos possam aderir as coisas boas que estão acontecendo na nossa paróquia e também pode ser feito um boletim informativo da paróquia para chegar até as comunidades mais afastadas. No nosso município temos 44 capelas, então, todas são do interior, além da matriz, então os municípios, muitos, não tem acesso a internet e alguns ainda nem ao sinal da rádio, então uma mídia impressa seria a forma que a gente conseguiria chegar até eles mostrando esse trabalho da nossa comunidade. Além da mídia digital que a gente trabalhou bastante, questão de sites e tudo, também ajudou nesta outra parte da mídia impressa e de outros meios de comunicação, porque está tudo co-relacionado. A comunicação, ela tem várias formas e quando há integração entre todas essas formas, há um sucesso maior na mensagem que está sendo transmitida. Então, a gente viu na GT essa questão de como integrar todos esses meios: rádio, mídia impressa, TV, site, e viu exemplos dos padres mais famosos do Brasil: Padre Fábio de Melo, Reginaldo Manzotti e Marcelo Rossi. Vimos como integrar tudo isso e serviu bastante, porque a gente pode trabalhar tudo isso a nível paroquial".


Muito obrigada pelas contribuições de vocês: Rodrigo, Junior, Matheus e Mauricio. Vocês são demais! 

Ellen Karolynne
(Coordenadora PASCOM)

Postagens Relacionadas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...